De que forma a alimentação influencia no desempenho escolar | Biotônico Fontoura

O nosso website utiliza cookies para lhe identificar e aprimorar a sua experiência de navegação.
Alguns cookies são necessários, outros são utilitários, analíticos ou de marketing. Ao continuar navegando, você concorda com os termos da nossa Política de Cookies.

De que forma a alimentação influencia no desempenho escolar?

Alimentação adequada contribui para uma educação de qualidade

As escolhas dos alimentos no prato estão diretamente relacionadas ao desenvolvimento físico, mental e intelectual das crianças. A má alimentação na infância gera uma sequência de prejuízos que pode influenciar o desempenho em sala de aula e deixar os pequenos doentes com mais frequência. Por isso, pais e mães precisam redobrar a atenção com a qualidade das refeições de seus filhos.

A formação dos hábitos alimentares é um processo que tem início desde o nascimento, com as experiências gustativas introduzidas no primeiro ano de vida. Após este período, o paladar vai se formando de acordo com as preferências individuais.

Você sabia que quando a criança está com anemia, por falta de ferro, ela apresenta uma menor capacidade de aprendizagem e, consequentemente, uma redução no rendimento escolar? Não à toa, a infância exige o consumo adequado de vitaminas e minerais. Uma atitude comum da criançada é pular o café da manhã para poder dormir mais tempo. Entretanto, saiba que o jejum contribui para o aluno ficar sonolento durante a aula. E, com sono, fica difícil prestar atenção na aula ou executar as atividades corretamente.

Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), a ingestão da quantidade e qualidade dos nutrientes deve ser adequada à faixa etária. Para suprir todas as necessidades nutricionais para o desenvolvimento dos escolares, o cardápio diário deve ser balanceado, incluindo todos os grupos alimentares (proteínas, carboidratos, gorduras, fibras, vitaminas e minerais).

Você já parou para pensar nas cores do típico prato brasileiro? A combinação de arroz, feijão, carne (vermelha ou branca), verdura e legumes é completíssima do ponto de vista nutricional.

Além de prestar atenção nas cores dos alimentos que compõem as principais refeições, outra dica importante é separar alguns minutos para planejar e organizar os itens que vão entrar na lancheira do seu filho. Tente restringir o consumo de produtos industrializados, gorduras saturadas e trans, sal e açúcar.

O ganho de peso nessa faixa etária pode desencadear várias doenças crônicas no futuro. A recomendação é adequar a ingestão de alimentos com o gasto calórico diário. Comer mais do que se gasta não é saudável! Lembre-se de que todas as crianças devem estar bem alimentadas em sala de aula!


Fonte: Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP). Disponível nas páginas 17, 18, 19 e 20 de http://www.sbp.com.br/pdfs/manual-aval-nutr2009.pdf Acesso em: 15 de abril de 2017